Comentários desta notícia
Imprimir

Artigos

Por Adelaide Felix em 20/12/2015 Eu Tenho Medo de Amar
Atendimento Adolescentes

Refere-se a uma variedade de técnicas e métodos utilizados para ajudar os adolescentes a ultrapassar as suas dificuldades emocionais e/ou comportamentais. Através de conversas, jogos ou outras técnicas de comunicação das emoções, sentimentos e comportamentos.

+ Saiba Mais
Orientação de Família

A Orientação Familiar é uma técnica em que foca no contato consciente com a emoção, ou melhor, com seus conteúdos, o sujeito pode entrar/ no sentimento que o mantém preso em sua problemática relacional. Considerando a família como um grupo, pode-se, de modo a superar as dificuldades.

+ Saiba Mais
Orientação e Treinamento de Pais de Crianças com Autismo

É uma verdade inquestionável que a família proporciona o principal agente de mudanças na vida de uma criança. No caso daquelas com Transtorno do Espectro Autista, as relações familiares podem influenciar positivamente seu desenvolvimento, através do estabelecimento de limites, comunicação.

+ Saiba Mais
Sexologia

A orientação sexual existe para trabalhar as dificuldades sexuais, com a objetividade da cura do sintoma sexual empregando-se técnicas psicológicas concomitantemente de um modo focal e breve, melhora de sua sexualidade com os aspectos biopsicossociais, ou seja, físicos, emocionais e sociais.

+ Saiba Mais

Contato

+55 (22) 99958-1142

+55 (22) 99226-6969

Quando ainda era estudante de psicologia, em uma de suas aulas, tive uma matéria onde observava um ratinho em uma gaiola. Quando sentia fome ia em direção ao alimento. Em um segundo momento foi colocado um circuito elétrico, o ratinho levou um choque forte, depois do choque, o ratinho correu na direção oposta ao prato.

Se pudéssemos perguntar se tem fome, certamente responderia que não, porque a dor provocada pelo choque fez com que desprezasse o alimento. Mas em breve o ratinho entrara em um grande conflito, morrer de fome, ou novamente seguir em direção ao choque e se alimentar.

Nesse meio tempo, no entanto, o circuito foi desligado e o prato não estava mais eletrificado. Porém, ao chegar quase a tocá-lo, o medo ficou tão grande que o ratinho sentiu a sensação de que havia tomado o choque por um segundo.  

Se lhe perguntássemos o que aconteceu, a resposta seria: "Levei outro choque". Esqueceram de avisá-lo que a energia elétrica estava desligada!

A partir desse momento, o ratinho começa a entrar numa tensão muito grande. Seu objetivo, agora, é encontrar uma posição intermediária entre o ponto da fome e o do alimento que lhe dê uma certa tranqüilidade.

Você pode se perguntar “Qual a relação com o medo de amar?

Observamos algumas vezes pessoas tomando choques sem sequer tocar no prato.

Muitas pessoas sentem vontade de convidar alguém para sair, para bater um papo, ir à praia, pegar um cineminha, e não conseguem, temem que o outro não terá tempo ou não irá gostar de sua companhia, desse modo, medo de receber uma negativa, ser rejeitado sem ao menos ter tentado.

Quantas vezes você se apaixonou sem que o outro jamais soubesse do seu amor?

Quantas vezes você abandonou alguém, com medo de ser abandonado antes?

Quantas vezes você sofreu sozinho, com medo de pedir ajuda e ficar "dependente" de alguém?

Quantas vezes você se afastou de um grande amor, com medo de se comprometer?

Quantas vezes você não se entregou ao amor por medo de perder o controle de sua "liberdade"? Quantas vezes você deixou de viver um grande amor com medo de sofrer de novo...

Mesmo com o grande desejo de amar e ser amado, você se boicota, com medo do novo, de errar, de se machucar, de arriscar, acaba vivendo pela metade.

Quando sentir que este amor está perto permita-se, as pessoas são diferentes, os relacionamentos são diferentes, o amor ‘e uma palavra única mas a forma ‘e individual e perfeita.

 

Pergunte a você: Quantas vezes tomou um choque sem tocar no prato???