Comentários desta notícia
Imprimir

Artigos

Por Adelaide Felix em 20/12/2015 Síndrome de Estocolmo
Atendimento Adolescentes

Refere-se a uma variedade de técnicas e métodos utilizados para ajudar os adolescentes a ultrapassar as suas dificuldades emocionais e/ou comportamentais. Através de conversas, jogos ou outras técnicas de comunicação das emoções, sentimentos e comportamentos.

+ Saiba Mais
Orientação de Família

A Orientação Familiar é uma técnica em que foca no contato consciente com a emoção, ou melhor, com seus conteúdos, o sujeito pode entrar/ no sentimento que o mantém preso em sua problemática relacional. Considerando a família como um grupo, pode-se, de modo a superar as dificuldades.

+ Saiba Mais
Orientação e Treinamento de Pais de Crianças com Autismo

É uma verdade inquestionável que a família proporciona o principal agente de mudanças na vida de uma criança. No caso daquelas com Transtorno do Espectro Autista, as relações familiares podem influenciar positivamente seu desenvolvimento, através do estabelecimento de limites, comunicação.

+ Saiba Mais
Sexologia

A orientação sexual existe para trabalhar as dificuldades sexuais, com a objetividade da cura do sintoma sexual empregando-se técnicas psicológicas concomitantemente de um modo focal e breve, melhora de sua sexualidade com os aspectos biopsicossociais, ou seja, físicos, emocionais e sociais.

+ Saiba Mais

Contato

+55 (22) 99958-1142

+55 (22) 99226-6969

Um dito popular “amor e ódio andam juntos” esconde algo mais complexo. Mulheres que apanham dos maridos, e não reagem, desenvolvem de certa forma a síndrome de Estocolmo. Muitas apanham e não denunciam nem fogem, em alguns casos existe a dependência financeira deste algoz, confundindo o limite do real e do emocional. Criam um laço afetivo com ele, um afeto cego. O soco, a palavra ríspida, as agressões podem ser interpretadas como, ele me vê, me percebe, não sou indiferente a ele.

Está síndrome é o nome normalmente dado a um estado psicológico particular em que uma pessoa, submetida há um tempo prolongado de intimidação, passa a ter simpatia e até mesmo sentimento de amor ou amizade perante o seu agressor. Esta Síndrome não consta entre as patologias psiquiátricas listadas no DSM, alguns especialistas tratam como "mito urbano", afirmando não haver base empírica suficiente e uniforme para classificá-la como um distúrbio da mente

Mas conseguimos identifica-la em muitas situações simples. Uma dependência entre dominado e dominante. Muitas mulheres reclamam dos namorados ciumentos, mas não aceitam quando estes não sentem ciúme. Mulheres que tiveram muitos atritos com seu pai sentirão ausência no futuro deste controle. O namorado mais inesquecível provavelmente foi aquele que te fez chorar, inúmeros exemplos podemos citar, relações com amigos, com professores, com filho.

Estas relações são alimentadas e cultivadas de várias formas, em alguns casos na infância quando nos deparamos com uma mãe ou um pai que bate e afaga, pode-se criar uma relação, ela (e) me bate, mas me ama, me protege.

A síndrome de Estocolmo pode muito bem ser identificada na literatura infantil, na história da Bela e a Fera, As Crônicas de Gelo e Fogo e no cinema nos filmes Ata-me, Paranoia, Seriado Homeland entre outros.